Dados Históricos

– 1143
– Gonçalo Mendes vende ao Mosteiro de S. João de Tarouca, a herdade de Cabana de Mouros.
– 20/09/1340
– D. Afonso IV proíbe o Superior do Mosteiro de S. João de Tarouca, de exercer jurisdição civil e criminal.
– 1470
– O Abade de S. João usava do direito de apresentação “In solidum” do cura.
– 26/12/1248
– Faz-se um acordo do Mosteiro com o Bispo e Cabido sobre a repartição destas ofertas e dízimos. Quanto às primeiras, conclui-se que a Sé nada podia exigir. Quanto aos dízimos a Sé receberia anualmente 10 moios de pão(pela medida de Tarouca) ficando o resto para o Convento.
– 1604
– É o Abade de Almofala o Vigário geral e Provisor, Licenciado Tomé Machado de Figueiredo. Ainda o era em 1607.
– 1738
– Jacob Fernandes, oficial galego, morador em Chafariz da Ponte, contratou as obras de pedraria da Igreja de Pendilhe, juntamente com Manuel Rodrigues Paiva, da Rua da Calçada.
Estava casado com Maria Pereira de Almofala e Baptizou a filha na Sé.
– 23/06/1728
– Morre o cura do Mezio (P.Paulo da Fonseca) com testamento que também favorecia a Senhora das Candeias de Almofala.
– 1735
– Sobre bens do Convente, este possuía em Almofala uma casa a servir de tulha.
– 17..
– O Abade do Mosteiro exercia de facto a jurisdição episcopal no seu couto, nomeava curas para as filiais de Alvite, Almofala e Vila Chã do Monte.
– 1782
– É passada carte de cura a Bernardo Cardoso, do Couto para Almofala.
– Afonso Henriques
– A Herdade no couto do Convento de S.João de Tarouca incluía S. Bráz do Burgo(S.João de Tarouca), Sever, Alvite, Vila Chã do Monte e Almofala.
– Dólmens
– Temos “apedra da anta”.